Arquivo da categoria: Tutoriais

Criando Mapas Mentais para planejamento de testes

Primeiramente, gostaria de começar este artigo dando uma prévia sobre os mapas mentais. Segundo o wikipédia, Mapa mental é o nome dado para um diagrama, voltado para gestão de informações. Um mapa mental pode nos ajudar para os estudos, armazenar idéias, auxiliar na criação de manuais e também para a organização de nossos Casos de Testes!

Existem vários programas que auxiliam-nos na criação, dentre eles gratuitos e pagos. Para escolher o seu basta ver de acordo com sua necessidade. Atualmente uso a versão gratuita do Xmind e a única coisa que sinto falta é de poder gerar um PDF dos meu mapas (coisa que a versão paga faz). Se você tiver interesse em ver vários exemplos de Mapas Mentais, basta dar uma “googleada”.

A idéia de usar os mapas mentais surgiu de acordo com a minha necessidade atual, quando comecei a trabalhar com a Metodologia Scrum. Conheci os mapas mentais através de outros amigos da área que trabalham com testes e logo me interessei pela simplicidade.

Diferente de um Caso de testes, onde crio um passo-a-passo para realizar um teste, no mapa mental, escrevo alguns itens que me lembre sobre o que deve ser validado. Se preferir, colocar alguns itens do critério de Aceite podem ajudar também.

A organização pode ser feita como você desejar. Se você estiver trabalhando com SCRUM você pode criar um mapa mental para cada estória, sendo os itens principais cada task de testes. Para cada task, podemos descrever o que deve ser validado.

Para simplificar, veremos um exemplo abaixo, que trata sobre os testes de compatibilidade nos navegadores:

Como podemos ver, na imagem acima coloquei somente o que devo me lembrar para fazer os testes de compatibilidade, onde inclui os nomes dos navegadores.

É possível incluir imagens e símbolos nos mapas mentais que ajudam no controle dos testes. Neste caso, os símbolos com o V em verde, são os testes que já realizei, enquanto os X estão pendentes. Com o símbolo de exclamação, uso-o para identificar que ocorreu um problema, precisei abrir um bug para ele.

Podemos também utilizar para colocar regras de Negócio, validação de Campos, conforme exemplo abaixo:

Na imagem acima, para a primeira task cito todos os campos da página para validação e na segunda task, algumas regras para validação. Uma outra abordagem que poderia ser feita é escrever em forma de Ação>Reação, não seria bem um ponto de Ação e Verificação como em um caso de testes, mas uma coisa mais ampla como: 1. Realizar Compra com Cartão de Crédito Válido>Sistema confirma o pedido e envia e-mail ao cliente informando os dados da compra.

Vejo o uso dos mapas mentais uma alternativa interessante, porém devem ser avaliados de acordo com a situação e a necessidade de cada um. Falo isso como por exemplo no meu caso, onde não preciso ter que necessariamente criar casos de testes, e não preciso ficar evidenciando todos os passos que executo quanto estou realizando meus testes.

Avalie, experimente e se quiser teste esta maneira de mapear seus testes, quem sabe ajude com o seu dia-a-dia!

Abraços e até a próxima!

Vinicius Sabadoti

Obs: Nesta última imagem acabou saindo a primeira também no slide, infelizmente não consegui arrumar no WordPress. Toda vez que insiro mais de uma imagem ele acaba fazendo isso.  Se alguém souber como acertar dá um dica! Valeu ; )

27/02/2011 – Atualizando:

Pessoal estou atualizando o post e inserindo mais duas opções de programas para criação de mapas Mentais. Agradeço ao Maurício e ao Lucas pelas dicas de outros programas:

Freemind: http://freemind.sourceforge.net/wiki/index.php/Main_Page

MindMeister: http://www.mindmeister.com/pt


8 dicas para uma escrita de Casos de Testes

Para as execuções dos testes funcionais, é comum a Criação de um Caso de Teste para a execução de cada condição de teste identificada pela equipe.

Geralmente este documento inicia falando sobre o objetivo do teste, seguido por uma pré-condição, que lista todos os itens ou condições que devem estar disponíveis para realizar o teste.

Em seguida, descrevemos a pós-condição que possui uma breve descrição do que deverá acontecer no término do teste.

Finalmente, partimos para a descrição do passo-a-passo, onde para cada passo descrito deve conter um ponto de verificação citando o resultado do passo executado.

Descrevendo desta maneira, temos a impressão de que tudo parece ser muito simples e fácil, basta seguir os passos descritos e os testes poderá ser executado facilmente.

Muito bom se fosse verdade! Se o Caso de Testes não for bem escrito, poderemos correr o risco de perder uma execução do teste e recomeçar tudo novamente.

Abaixo, cito 8 itens que acho interessante ficar atento quando criamos um Caso de testes:
1. Defina bem a pré-condição do teste:

Na minha opinião, definir muito bem a pré-condição poderá garantir 50 % da execução dos testes. Quando ela é bem descrita não corremos o risco de perdermos o teste, pois é muito desconfortável deparar com um passo pedindo para executar uma ação no sistema que pode não estar preparada, pois não foi citada na pré-condição. (simples exemplo: pedir a exclusão de um usuário específico cadastrado, e na pré-condição não citar a criação de um usuário para excluir).

Escreva de forma clara a pré-condição, se necessário faça como se fosse um passo-a-passo mesmo. Cite em ordem de prioridade as ações que devem ser feitas, como deve ser criada a massa de dados para o testes e o que deve ser feito por primeiro, segundo, etc.

Deste maneira o testador não irá descobrir somente no momento da execução o que devia ter preparado antes de iniciar os testes.

2. Escreva os Casos de Testes conforme citado no Caso de Uso.

O Caso de Uso contém todas as informações necessárias de como o sistema deve funcionar. Portanto, desenvolvedores e testadores não precisam imaginar ou supor como deve funcionar o sistema (salve exceções, em que há necessidade de discustir algumas regras).

Crie os Casos de Testes baseado no Caso de uso, assim a chance do sucesso dos testes será grande.

Um bom ponto de atenção, é que devemos sempre estar atentos com as atualizações dos Casos de Uso, pois muitas vezes as regras são alteradas e consequentemente pode ser necessário atualizar os Casos de Testes.

Nem todo Caso de Uso pode ter sido escrito de forma clara e conter todas as informações necessárias, neste caso não tenha medo de procurar o Analista de Requisitos que escreveu o documento.

3. Defina um bom título para o Caso de Testes.

Sei que não é uma tarefa fácil escrever em poucas palavras um bom título para o caso de Testes. Se possível coloque no Caso de Testes se cenário a ser testado é uma condição positiva ou negativa e o que será feito.

Muitas vezes o sistema a ser testado possui uma grande quantidade de Caso de Testes criados, portanto definir um bom título poderá permitir um acesso fácil para eventuais consultas destes documentos.

4. Cuidado com o português (escrita).

Este é um ponto que não só devemos tomar cuidado com o português na escrita do Caso de Testes, e sim com o nosso dia-a-dia. Muitas vezes, os Casos de testes são revisados por um membro da equipe e chegando até ao cliente do sistema para revisão do mesmo.

5. Numerar os Passos.

Esta é uma boa forma de organizar melhor os passos, auxiliando durante a execução dos testes. A numeração nos passos permite o testador se organizar melhor com os passos e caso ocorra a necessidade de parar os testes por um minuto, ele saberá em qual passo voltar.

6. Escreva os passos na forma imperativa

Use as palavras na forma imperativa, como “Digite um nome no campo”, “Escolha uma opção”, etc. Utilizando estes termos passamos a mensagem de que realmente deve ser feita uma ação e organizamos melhor nossos casos de testes seguindo um padrão na escrita.

7. Seja claro com os pontos de verificação.

Nunca deixe dúvidas com os pontos que devem ser verificados. Troque frases como: “o sistema PODE exibir uma mensagem” por “o sistema DEVE exibir uma mensagem”. Desta maneira não deixamos dúvida do que pode acontecer ao executar aquele passo e se acontecer algo diferente do descrito, teremos um defeito.

8. Atenção ao colocar imagens e nome de Campos.

Se o Caso de Teste não possuir o objetivo de verificar a usabilidade e o layout do sistema, tome muito cuidado ao citar os nomes do campo.
Como já citado, os Casos de Uso podem sofrer por atualizações que são impactadas no sistema, fazendo com que seja necessário mudar algum layout do sistema ou campo fazendo com que fique diferente do citado no Caso de Testes.

Por mais que alguns pontos citados parecem ser óbvios, quem já passou pela execução e criação de Casos de Testes sabe que na realidade é diferente. Sempre busque melhorar os Casos de Testes, pois com certeza todos da equipe tem a ganhar.

Não tenha medo de escrever demais, ou deixar o Caso de Testes comprido, desde que haja a necessidade. É melhor as vezes pecar pelo excesso do que deixar faltando algo!

Caso queiram citar mais algum ponto sintam-se livres para citar nos comentários que será muito bem-vindo!


Scrum em Menos de 10 Minutos

Como estou começando a criar o meu TCC estou pesquisando sobre as metodologias ágeis e no blog do meu amigo André Baltieri encontrei um video muito interessante sobre Scrum.

Este video fala sobre os principais conceitos sobre o tema em menos de dez minutos! Para quem ainda não conhece, vale a pena conferir:

Obrigado André por autorizar a postar aqui também!

Abraços a todos.

Vinicius Sabadoti


Emoticon feito no Blend + Tutorial

Neste post gostaria de deixar um site bem legal para quem gosta ou quer aprender mais sobre o Blend. Eu segui um tutorial e fiz um emoticon bem legal. Fiz ele um pouco diferente para não ficar igual e a dica que deixo é para quem fizer também procure fazer o mesmo, ir mudando, acrescentar animações, etc.

Segue abaixo o meu emoticon:

Emoticon feito no Blend

Tutorial do Emoticon: http://migre.me/fKIJ
Mais tutoriais: http://migre.me/fKIS

Espero que gostem.
Abraços = ]

Vinicius Sabadoti