Arquivo da tag: Oportunidades

Carreiras em TI – Testador de Jogos

Olá pessoal!

Este é mais um post para falarmos sobre carreira! Vamos falar sobre testes, porém sobre testes em Jogos eletrônicos!

Primeiramente gostaria de agradecer ao Bruno Cicanci do blog Game Developer (http://gamedeveloper.com.br/blog/) por ter me passado o contato de um profissional da área, o que permitiu que eu fizesse a entrevista!

O segundo agradecimento é ao Ronaldo Coimbra que dedicou um tempinho e paciência para responder algumas perguntas.

Atualmente Ronaldo é QA Lead e Preload Content Manager na GLU Mobile do Brasil.

Vamos ao que interessa! Segue abaixo a entrevista:

1. Como você entrou na área de testes de jogos? 

No terceiro semestre da faculdade de Jogos Digitais (Unisinos – São Leopoldo), começei a procurar mais sobre as oportunidades de carreira na área de jogos. Depois de um tempo, você percebe que existem duas grandes portas de entrada: QA (quality assurance – tester) e programação. Apesar da minha faculdade dar ênfase à programação, sempre tive mais interesse em design e acabei optando por entrar como QA mesmo, pra entender mais sobre os jogos e o processo de certificação (aprovação) desses jogos. O que fiz, então, foi avaliar empresas brasileiras que mais se encaixassem com meu perfil e mandei currículos (fui muito seletivo e mandei para umas 4 empresas apenas). Ter um bom portfólio e saber se relacionar e tratar bem outras pessoas faz uma grande diferença na hora de conseguir um emprego. Acabei vindo para São Paulo, onde havia mais ofertas na área e empresas mais bem estruturadas e fui escolhido para trabalhar na GLU Mobile como tester. A empresa chegou a me chamar para ser programador, mas realmente não houve interesse de minha parte.

2. Como é a diferença entre testar um Software e um Jogo? 


O primeiro passo aqui é diferenciar um software comum de um jogo. A primeira diferença é a subjetividade que está presente nos jogos. Você não tem um objetivo bem definido de armazenar e manipular dados (seja um banco de dados ou um programa de arte como photoshop). O objetivo varia com o jogo que deve envolver o usuário psicologicamente ao promover um desafio, geralmente atrelado a uma história e mecânicas de jogo (usabilidade e interatividade) que variam bastante de jogo pra jogo. Então, a primeira diferença é que um teste de jogo não só precisa passar por testes padrões que sejam aplicáveis a qualquer software, mas também por testes subjetivos que são exclusivos de cada jogo pra verificar quão divertido, desafiador e acessível está o jogo.
Outra grande diferença é que jogos são softwares que abrangem uma série de áreas diferentes de conhecimento. Enquanto a maioria dos softwares são especializados em determinadas tarefas, jogos visam um público de massa e equilibram uma série de conhecimentos num só aplicativo: arte, programação, design, música, roteiro, direção, marketing, hardware… Isso significa que o tester precisa ser mais versátil e avaliar o produto sob várias perspectivas. A grosso modo, um software de música precisa agradar músicos. Um jogo precisa agradar músicos, professores, cientistas, crianças, velhos… Enfim, o objetivo é promover lazer para quem tiver interesse.

3. Vocês seguem alguma metodologia para realizar os testes nos jogos? 

Sim. Não posso entrar muito em detalhes porque existem regras de proteção dentro da empresa onde trabalho com relação a isso, mas basicamente, o jogo passa por uma avaliação subjetiva intensa e, quando está aprovado nesse quesito, passa por avaliações padrões de software. Todos os procedimentos são estruturados em planilhas de testes que são constantemente atualizadas usando informações que são coletadas ao longo dos projetos. Existem diversas ferramentas que são utilizadas também, com os mais diferentes objetivos: Ferramenta de distribuição de testes, ferramenta de armazenamento de informações, ferramenta de emulação de software, ferramenta que analisa hardwares (lembrando que minha empresa trabalha com jogos para celulares e por isso precisamos entender cada aparelho – hardwares diferentes – tamanho de tela, memória, processamento, media player, etc).

4. Que tipo de testes são realizados em um jogo? Exemplo: Verificar cores, colisões, etc 

Primeiro, a análise subjetiva analisa diversão, grau de desafio e acessibilidade. Cada jogo tem sua própria metodologia, pois cada jogo é único.
Em segundo, é feita uma análise mais básica de software: instalação, usabilidade/interatividade, aparência, som, interrupção (quando alguém recebe uma ligação no meio do jogo, por exemplo), testes específicos relacionados às especificações dos aparelhos.

Enquanto isso tudo ocorre, a equipe de Marketing está sempre atenta em relação a nichos de mercado, oportunidades e capacidade de vendas. Apesar disso não ser um teste em si, se for determinado que o jogo não vai vender, ele provavelmente vai ser cancelado ou às vezes será deixado “on hold” (em espera), dependendo em que etapa do processo esteja.

5. Para qual plataforma de jogos você prefere realizar os testes? (Mobile, Web, Console, etc). 

Eu particularmente não tenho muita preferência na hora de testar (se o assunto fosse desenvolvimento e não testes, minha opinião seria bem diferente). Cada um tem suas especificidades mas, no fundo, todos acabam sendo interessantes e divertidos. Algo que muda muito de uma plataforma pra outra é a quantidade de testers necessária. Um jogo de console geralmente precisa de vários e vários testers e ainda assim, algumas empresas fazem os chamados “open betas” onde usuários interessados nos jogos podem experimentá-los desde que dêem feedbacks e reportem bugs para a empresa. Mobiles geralmente são jogos mais simples que usam de 2 a 5 testers por jogo. Web… bom, temos empresas que nem tem testers e isso fica por conta dos próprios programadores.
Outra diferença é que, como jogos para consoles são mais demorados e grandes em termos de ambiente e mecânicas, cada tester geralmente fica focado num aspecto específico ou num momento específico do jogo. Já Web e mobile, os testers geralmente passam por todo o jogo. Vale citar que as diferenças entre Consoles e Mobiles vem diminuindo, com lançamentos como Iphone e Android. Jogos mobile estão ficando mais acessíveis, rendendo muito dinheiro e tendo possibilidades de se transformar em big hits, devido à melhoria na tecnologia mobile. Há pouco tempo atrás, jogávamos snake (aquele jogo da cobra que tem que pegar os pontos ou frutas na tela). Hoje, já temos jogos em 3D e com física.

6. Qual é o defeito que vocês mais encontram quando realizam os testes em um jogo? 

Certamente é interrupção. A GLU faz jogos para mais de 400 aparelhos. Fazer um jogo para cada celular seria impossível, então geralmente agrupamos devices parecidos que usam uma “build” em comum. Build é uma versão especial do jogo preparada para funcionar em determinado grupo de aparelhos. Cada celular tem sua forma de manipular eventos no aparelho (como receber uma ligação no meio da execução de um aplicativo), então apesar dessa estratégia de grupos dar bem certo em relação a memória, tamanho de tela, som, etc, acaba deixando a desejar na parte de interrupção.

7. Quais são os requisitos para quem deseja começar a trabalhar na área? 
Essa é a parte boa da história! Você só precisa ter boas características pessoais: Vontade, garra, boa comunicação, pró-atividade, disposição, entre outras. E, claro, existem algumas coisas que são bonus: jogar bastante, ter uma formação na área, saber programar, ter experiência com testes… Acontece muito da empresa estar em busca de novos talentos e convocar pessoas nas próprias universidades e, para medir o potencial dos candidatos, usamos algumas técnicas e dinâmicas em grupo. Muita gente tem medo de dinâmicas de grupo mas, como tester, você precisa no mínimo reportar bugs para os programadores. Saber conversar, dialogar, mostrar sua opinião e aceitar a opinião dos outros é totalmente necessário em uma equipe e ponto final.

Resumindo, funciona da seguinte maneira: Processos, nomes e ferramentas, a empresa ensina. Já educação, pró-atividade, empenho e disposição, a empresa precisa muito, pode ajudar a conseguir, mas não tem como ensinar do zero 😉

Pessoal, espero que vocês tenham gostado assim quanto eu! Aproveito para agradecer novamente ao Bruno e ao Ronaldo!

Abraços!


Vagas – Oportunidades em TI

Pessoal, neste post gostaria de apresentar alguns sites de oportunidades de trabalho. Acredito ser muito interessante acompanhar o mercado e as oportunidades, independente de não estar procurando uma vaga. Precisamos sempre ficar atentos com as tecnologias e com o que o mercado pede, para não nos especializamos em algo que infelizmente pode não haver tanta procura. Pode ser que os sites já sejam conhecidos, mas acredito que sempre para alguns é novidade!

http://www.apinfo.com/

http://ondetrabalhar.com/

http://www.progbr.com.br/

Abraços!

Vinicius Sabadoti